Projeto composto por performance e instalação que integrou a MOSTRA RIO CLARO DE ARTE CONTEMPORÂNEA 2012 em Rio Claro, São Paulo, com a participação de Lea Moraes e Cecilia Stelini.

Ação performática que enfatiza o confronto entre as polaridades feminino e masculino, “animus e anima”, sagrado e profano e as dores provocadas pelo mesmo.

Íncubo e súcubo completam-se pelo ato de desenrolar e enrolar simultâneo de um tecido, ao mesmo tempo que esta ação sugere também a leitura de escrituras sagradas.

Através deste embate se estabelece o ritual.

A instalação é constituída pelos elementos cênicos e remanescentes da ação.